“A tecnologia pode ajudar a reduzir desigualdade entre países”, diz presidente da Microsoft na América Latina

Cesar Cernuda, presidente da Microsoft para a América Latina:  Foto: Divulgação

A Microsoft vem se empenhando em mostrar que a inteligência artificial — um serviço que a empresa vende — vai trazer mais benefícios que problemas, mesmo no curto prazo. Um estudo encomendado pela companhia indica que empresas e governos no Brasil investissem mais nessa tecnologia, o aumento de produtividade no país se multiplicaria por quatro, para um ritmo de % ao ano; e o produto interno bruto PIB , mesmo num cenário apenas intermediário de investimento em I.A., poderia passar a crescer ,% ao ano até  para comparar, o mercado financeiro prevê crescimento de ,% este ano e ,% nos próximos. O caminho para essa transformação digital, no entanto, não é fácil.

O desenvolvimento e aplicação da IA tem ganhado destaque na estratégia de empresas dos mais variados setores. Cesar Cernuda, presidente da Microsoft América Latina, orgulha-se em dizer que a companhia trabalha no desenvolvimento de algoritmos de inteligência artificial há três décadas. A novidade é o volume de dados disponíveis, o custo e a facilidade de processá-los – e isso muda muita coisa em vps windows.

“Estamos vendo a quarta revolução industrial, e as mudanças acontecem a uma velocidade que nunca vimos antes”, diz Cernuda. A própria Microsoft teve que mudar para se adaptar a esse novo cenário. Há mais de anos na empresa, o espanhol viveu essa mudança da cultura corporativa. “Vivi na antiga Microsoft e na nova Microsoft, e digo que nunca estudei tanto quanto hoje”, diz. Em passagem pelo Brasil, o executivo falou com exclusividade à Época NEGÓCIOS. Confira os principais trechos da entrevista.

Você diz que a inteligência artificial não é uma coisa nova. Então, por que todos estão falando sobre isso hoje?A IA não é nova, mas há muitas coisas acontecendo que são novas. Uma delas é a quantidade de dados. A segunda é o custo associado ao armazenamento e processamento desses dados. A quantidade de dados que o mundo gerava em ao longo de um ano hoje se gera em apenas um dia. Em uma semana, geramos algo em torno de , exabytes, o que corresponde a mais de , milhão de vezes a biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. O outro ponto é o custo. Há anos, o custo para digitalizar e armazenar o conteúdo de milhões de livros era de US$ bilhões. Hoje, o valor caiu para US$ mil. Isso foi possível por causa da computação em nuvem.

E o processamento?Exato, mesmo que eu tenha esses dados armazenados, preciso processá-los. Isso também ficou mais fácil. Há anos, você precisaria comprar uma máquina de US$ milhões para processar teraflop de dados. Hoje, você compra um Xbox One, que processa teraflop, por US$ . O custo de transação para processar e armazenar os dados está muito menor. Por isso, todo mundo está criando diferentes algoritmos para tentar colocar inteligência artificial em tudo o que fazemos. Essa é a grande mudança.